Notícias

Você sabe como ler os rótulos dos alimentos?

No brasil,  a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) é o orgão que controla os rótulos dos alimentos. Todo produto precisa apresentar  as informações nutricionais como valor energético, porção, medida caseira e quantidade por porção de carboidratos, proteínas, gorduras, fibras e sódio do alimento.

Porção: É a quantidade média do alimento que deve ser consumida, considerando uma dieta saudável e baseada no  para consumo daquele alimento. Essas  quantidades estipuladas foram definidas por especialistas, levando em consideração o hábito do brasileiro e alimentação saudável. Quando comparar os produtos, lembre-se de comparar a quantidade da porção!

% VD : A sigla significa percentual de valores diários e uma média de consumo calórico para a população brasileira adulta saudável, que é de 2000 kcal. Essa média foi utilizada como referência para os valores diários.

Medida caseira: indica a medida normalmente utilizada pelo consumidor para medir alimentos. É uma quantidade padrão que ajuda bastante a entender e comparar as informações nutricionais, pois  a maioria das pessoas não tem balança em casa para pesar os alimentos. Por exemplo: fatias, unidades, pote, xícaras, copos, colheres de sopa.

Valor energético: é a energia produzida pelo nosso corpo proveniente dos carboidratos, proteínas e gorduras totais  presentes em uma determinada porção de alimento. Nos rótulos,  o valor energético é expresso na forma de quilocalorias (kcal) e quilojoules (kJ).

Ingredientes: 

Os ingredientes dos ingredientes aparecem na ordem de maior quantidade para menor quantidade. Portanto, se procura um item integral, veja se o primeiro ingrediente é realmente a farinha integral. Tenha atenção especial quando o açúcar e as gorduras constarem no topo da lista.

Dicas:

Sempre foque primeiramente na quantidade de gorduras, sódio e fibras do produto. Esses são itens determinantes quando o assunto é qualidade.

Pessoas com restrições alimentares precisam estar ainda mais atentas à composição dos alimentos.

Nada adianta você controlar o sódio de um alimento se for encher de sal no preparo dos outros. Equilibre sua refeição para ter uma vida mais alegre e saudável! 

Mastigação

Você sabe comer corretamente?
Quanto tempo dura a sua refeição?

Essas são perguntas básicas que muitas pessoas não param para refletir. Na eterna busca por saúde e qualidade de vida, as primeiras mudanças (em sua maioria) sempre começam pela alimentação. Mas já parou para pensar em como está a sua mastigação? Quantas vezes você mastiga antes de engolir a comida? Você aprecia o que come?

No corre corre do dia a dia, não se tem tempo para mastigar e nem para apreciar o que estamos comendo.

Alguns fatos:
-A mastigação incorreta causa sobrecarga aos órgãos digestivos, e indigestão. Garanta que a sua digestão comece corretamente.
-Com uma mastigação correta e devagar, é possível se saciar com quantidades menores de comida.
-Mastigação ruim podem causar gases, azia, sonolência pós refeição.

Dicas:
Refeições pequenas: 15 a 20 minutos.
Refeições maiores: 20 a 40 minutos.
Tenha certeza que todo o alimento está triturado antes de engolir.

Deguste, cheire, saboreie e mastigue!

Fontes:
-APCD
-Scielo: Mastigação e dietas alimentares para redução de peso

 

Chá de Hibisco e seus Beneficios | Shizen

Chá de Hibisco e seus benefícios

Encontrada principalmente em regiões tropicais e subtropicais, o Hibisco é muito comum no Brasil. O hibisco é conhecido principalmente pela beleza de suas flores, o que faz com que muitas pessoas desconheçam os benefícios e propriedades medicinais do chá de hibisco, feito a partir da infusão dos cálices da flor da espécie Hibiscus sabdariffa.

Dentre os benefícios mais conhecidos decorrentes do consumo regular do chá de hibisco, destacam-se a diminuição do colesterol LDL (colesterol ruim), redução da pressão arterial, queda do risco de aparecimento de doenças cardíacas, prevenção de constipações e infecções da bexiga, dentre outras inúmeras propriedades. O chá de hibisco também emagrece ao fazer a quebra de amidos e açúcar, além de ser rico em antioxidantes, vitamina C e outros nutrientes essenciais.

O chá de hibisco é geralmente misturado com outros chás de ervas, sobretudo os chás verde, preto e branco, além do chá de rosa-mosqueta (existem mais de 200 variações de hibiscos, sendo que cada espécie conhecida possui uma pequena alteração no sabor do chá). Dentre os principais benefícios à saúde apontados em estudos preliminares referentes aos consumo de chá de hibiscos são elencados:

Reduz a pressão arterial:

Um dos benefícios mais poderosos do hibisco é a sua capacidade para reduzir a pressão arterial. Em um estudo realizado por pesquisadores da Universidade de Tufts, de Boston, ficou sugerido que beber três xícaras de chá de hibisco diariamente reduziu a pressão arterial de pessoas com hipertensão leve e moderada, depois de seis semanas de tratamento. Em outro estudo, conduzido por pesquisadores do Centro de Saúde Natural Bastyr, em Seattle, Washington, beber cerca de 400 gramas do chá por dia durante quatro semanas, reduzia a pressão arterial.

Emagrece: 

Consumir o chá de hibisco ajuda na perda de peso, sobretudo após as refeições, onde o chá vai auxiliar na quebra de amidos e açúcar, contribuindo para o emagrecimento. Além disso, o chá de hibiscos é diurético, elevando a taxa de micção.

Reduz os níveis de colesterol LDL (colesterol ruim) e os riscos de doenças cardíacas:

Um estudo realizado pelo Departamento de Bioquímica Chung Shan Medical University em Taiwan mostrou que o chá diminui os níveis de colesterol LDL e o risco de doença cardíaca. Em outro estudo, publicado pelo Journal of Alternative and Complementary Medicine (Jornal de Medicina Alternativa e Complementar), 60 pacientes com diabetes tipo II foram divididos aleatoriamente em dois grupos. Um grupo consumiu chá preto, enquanto o outro consumiu chá de hibisco. Os participantes foram orientados a beber quantidades iguais de chá duas vezes ao dia por 30 dias. O grupo de teste que bebeu chá de hibiscos percebeu várias melhorias nos níveis níveis de colesterol. A contagem de colesterol total diminuiu de 236,2 para 218,6 mg dL. O HDL (colesterol bom) aumentou de 48,2 para 56,1 mg/dL, enquanto o LDL (mau colesterol) diminuiu de 137,5 para 128 mg/dL. Os triglicerídeos, um tipo de lípidos, (gorduras) presentes no sangue, responsáveis por cerca de 95% da gordura no corpo, caiu dramaticamente de 246, para 209,2 mg dL. No caso de pessoas sem diabetes, uma quantidade inferior a 150mg/dL é considerada normal, mas não foi prevista para ser alcançada neste estudo, devido à existência da diabetes nos pacientes.

Boa fonte de vitamina C:

O hibisco é uma boa fonte de vitamina C, o que auxilia na prevenção e recuperação de várias doenças. Além disso, a vitamina C aumenta a absorção de ferro, o que é especialmente útil para vegetarianos.

Rico em antioxidantes:

O chá de hibisco é rico em antioxidantes, responsáveis por combaterem os radicais livres, agentes causadores de envelhecimento e de várias doenças, como o câncer. Uma dieta rica em antioxidantes pode não só melhorar a saúde, mas também estender a vida útil. As flores do hibisco possuem diferentes fitoquímicos que dão a mesma a coloração vermelha-escura, além de uma grande quantidade de antioxidantes, que além de prevenirem o aparecimento de câncer, também melhoram as funções cardíacos, o fluxo de sangue, flexibilidade de vasos sanguíneos, dentre outros benefícios para o corpo.

Fonte: www.plantasmedicinaisefitoterapia.com

Quantos litros de água precisamos beber por dia?

A água é essencial para a manutenção da beleza e para o bom funcionamento do organismo. Muita gente, no entanto, não sabe qual deve ser a quantidade correta de água a ser ingerida diariamente. Afinal, este cálculo deve ser personalizado para que não aconteça um excesso, que poderia ser prejudicial à saúde.

Os alimentos também são boas fontes de água e devem ser levadas em conta. Quem come muitas verduras e frutas, por exemplo, pode necessitar da ingestão de menos água, enquanto aqueles que ingerem muito sal vão precisar de uma maior quantidade do líquido, lembrando que cerca de 65% do nosso organismo é constituído de água.

Nada de exageros 
Beber água demais pode fazer mal à saúde. O excesso de líquido pode levar a um quadro de confusão mental e hiponatremia, que é a baixa concentração de sódio no sangue. Para não errar a mão e saber quantos copos consumir, deve se levar em consideração a água presente nos alimentos e também dados pessoais, como idade, peso, nível de atividade física, clima, alimentação, função renal, grau de hidratação, “este é descoberto por meio de exame de bioimpedância, aparência da pele e cor da urina”, como explicou a nutricionista, entre outros exames. Também é possível fazer um cálculo simples: um adulto saudável pode tomar cerca de 35 ml de água por quilo de peso. Por exemplo, um indivíduo de 70 kg deveria ingerir 2450 ml de água pura por dia. É importante ressaltar que essa quantidade diária deve ser ingerida ao longo do dia, ou seja, não é aconselhado tomar grande quantidade de água de uma vez.

Idosos e crianças são mais suscetíveis à desidratação. Os mais velhos, por sentirem menos sede, terem que tomar diuréticos, falta de mobilidade, entre outros. Os pequenos são mais ativos e não têm controle da sede, dependendo de outra pessoa para ter acesso ao líquido.

Qual água escolher 
Para o organismo, não há diferença entre a água mineral e a água filtrada, pois ambas possuem os mesmos eletrólitos como sódio, cálcio e potássio, em concentrações diferentes. Luciana explicou que, apesar de a água mineral possuir pH alcalino e menos oligominerais, como o magnésio, a água filtrada, quando tratada, pode ser ingerida sem problemas, pois possui flúor e ajuda a prevenir as cáries.

Conheça os poderes dos pozinhos mágicos na nossa alimentação | Shizen Produtos Naturais

‘Pozinhos mágicos’: Conheça os poderes da maca peruana, matchá, spirulina

Os pozinhos mágicos! Veja o que acrescentar na alimentação para cuidar da beleza e da saúde da melhor maneira.
 
 
 

Matchá

Muito tem se falado em matchá. Poderia ser um chá, não fosse seu processo de produção: a planta Camellia Sinensis é moída lentamente por um moinho de pedras até ser reduzida a um pó bem fininho.
“O vegetal produz clorofila, aminoácidos e l-teanina, substâncias que ajudam a dissolver a gordura e a eliminá-la rapidamente. Além disso, os flavonoides e cafeína encontrados na planta aceleram o metabolismo e, por isso, contribuem para o emagrecimento”, explica o endocrinologista Alfredo Cury. Outro benefício, segundo ele, é que o matchá ajuda na recuperação muscular e, por isso, é muito indicado para quem pratica atividades físicas regularmente.
 
Como usar: pode ser adicionado a massas de bolos e tortas, frutas, shakes e sucos. O consumo recomendado é de 15 a 20g por dia (até 4 colheres de sopa, em média)
 
 

Spirulina

A spirulina é uma alga microscópica de cor verde azulada, rica em nutrientes. Ela contém proteínas de alto valor biológico; minerais como fósforo, potássio e cálcio; altas doses de betacaroteno; vitamina E e vitaminas do complexo B.

“Os principais benefícios são o auxílio na redução do colesterol, o estímulo da liberação de substâncias que controlam a saciedade, a ajuda na redução dos níveis de glicemia e naeliminação de toxinas acumuladas”, explica a nutricionista Karen Schlösser.

Como usar: Tem gosto forte, a especialista aponta. Mas, com tantos benefícios e em tão pouca quantidade necessária, vale tentar! Uma colher de chá em sucos ou até duas colheres de sopa em receitas mais adocicadas, como bolos, cookies ou shakes, são suficientes.

 
 

Colágeno hidrolisado

O colágeno hidrolisado é um pó constituído por proteína, minerais e vitaminas. É livre de gorduras e sem adição de açúcares. “O colágeno é uma proteína essencial para a saúde da pele e das articulações. Conforme envelhecemos, a produção dessa proteína diminui, por isso a reposição pode ser necessária”, explica Karen.

Como usar: Possui sabor neutro e pode ser adicionado em qualquer preparação, sem alterar o sabor (sucos, iogurtes ou na água pura mesmo)

 
 

Farinha de semente de uva

Riquíssimo em polifenóis e antocianinas, substâncias que neutralizam os radicais livres, devido à sua potente ação antioxidante, a farinha de semente de uva combate o envelhecimento precoce das células e do organismo.

Como usar: Em sucos, shakes, bolos, pães ou misturado ao azeite de oliva para uso em saladas.

 
 

Maca peruana

Rica em nutrientes como carboidratos, fibras, aminoácidos, vitaminas, minerais e gorduras essenciais (ômega 3 e ômega 9), a Maca Peruana aumenta a disposição do corpo e tem poder revigorante, devido às altas concentrações de ferro.

“Também reequilibra os níveis de testosterona, por isso, é ótima para quem deseja mais força nas atividades físicas; melhora o desempenho sexual (aumenta a lubrificação vaginal e a libido em ambos os sexos) e é usada no tratamento de disfunções sexuais e aumento de fertilidade”, ensina Karen,

Como usar: Consumir 2 colheres de sopa (10g) de farinha de maca ao dia. Pode ser adicionada em sucos, vitaminas, iogurtes e outras receitas de sua preferência.

 

Farinha de berinjela

A farinha de berinjela contém os nutrientes em que o vegetal é rico, como vitamina B3 e vitamina C e é altamente rica em fibras.”Reduz a absorção de colesterol e de gordura. A farinha também aumenta a saciedade e melhora a absorção de nutrientes. É uma boa opção para quem deseja emagrecer”, aponta Karen.
 
Como usar: Consumir duas colheres de sopa (10g) por dia. Pode ser adicionada em sucos, por cima de saladas, vitaminas, iogurtes e outras receitas de sua preferência.
 
 
 
Fonte: gnt
 
Dicas para lanches saudáveis nas escolas | Shizen Produtos Naturais

Dicas para lanches saudáveis nas escolas

Com o início das aulas, os estudantes deparam com a tentação dos lanches fritos, salgadinhos e doces vendidos nas cantinas de algumas escolas. Há colégios que proíbem a venda desses alimentos, mas onde ainda é permitido a orientação aos pais é que os lanches preparados em casa podem ser a saída para manter a alimentação saudável de crianças e adolescentes.

A nutricionista e professora do Departamento de Nutrição da Universidade de Brasília Raquel Botelho dá dicas aos pais sobre os alimentos que devem ser evitados e o que é recomendável para o lanche. Na lista do que deve ser evitado estão os alimentos ricos em açúcares, gordura e sódio, como biscoitos recheados, doces, refrigerantes e salgadinhos industrializados. “Esses salgadinhos são riquíssimos em sódio, e as crianças estão consumindo muito sódio e ficando hipertensas cedo. Deixe esses alimentos para um momento de festa, de fim de semana.”

Item comum na lancheiras das crianças, os sucos de caixinha também não são uma boa opção, pois podem ter mais açúcar que os refrigerantes. Eles podem ser substituídos por água de coco e sucos naturais.

As frutas são boas alternativas para levar à escola. Além da fruta, é interessante incluir comidas que garantam energia, como sanduíches naturais, pão e torradas com queijo magro, geleia ou requeijão.

Com a correria do dia a dia, o comum é que os pais não tenham tempo para preparar lanches, e o mais prático é recorrer aos industrializados. Nesse caso, a nutricionistas ressalta que é importante procurar produtos naturais, sucos e geleias sem açúcar, biscoitos integrais e ficar atento aos rótulos para verificar a quantidade de açúcar e gordura.

Os pais que mantêm conta na cantina, ou compram tickets mensalmente, podem se informar sobre o que é vendido para orientar os filhos no consumo e até combinar o que será fornecido ao estudante.

Para ajudar a quebrar a resistência ao consumo de alimentos saudáveis, a nutricionista Raquel Botelho sugere que os pais negociem com os filhos um dia da semana para que levem o que quiserem para a escola ou comprem lanche na cantina. “Se nos outros dias a criança vai ter uma alimentação mais saudável, ela vai ver que algumas coisas não valem a pena ou vai passar a não gostar, porque vamos adaptando nosso paladar.”

Outra dica é não colocar alimentos em excesso na lancheira dos filhos. Os pais devem mandar apenas a porção necessária para não atrapalhar a refeição seguinte, que é o almoço ou o jantar.

A advogada Claudia Miziara matriculou o filho de 6 anos em uma nova escola do Distrito Federal, este ano, e ficou surpresa com as regras para a alimentação. Além do refeitório vender apenas comidas com produtos integrais, açúcar mascavo e sucos naturais, os pais não podem mandar de casa nada que fuja dessa linha. “Eu tinha preocupação com lanches saudáveis, porque a cantina da escola anterior vendia salgadinhos e doces, e os coleguinhas também levavam produtos assim e acabavam compartilhando com meu filho”, disse.

Claudia aprovou o método, apesar de considerar ser mais trabalhoso. “Achei bom, apesar de ser mais fácil mandar um pacote de biscoito e um suco de caixinha. Agora, faço suco de fruta bem cedo, faço bolos, e quando ficar complicado vou comprar o lanche da escola. Vendo os coleguinhas comerem assim, meu filho vai acabar se acostumando mais fácil e creio que no futuro vamos colher bons frutos.”

Motivados pela preocupação com a saúde e com a obesidade infantil, prefeituras e governos estaduais aprovaram leis que proíbem a venda nas escolas de alimentos que não fazem bem à saúde. Um exemplo é Minas Gerais, onde a rede pública estadual não permite a venda, nas escolas, de frituras em geral, salgados com massa follhada, chocolates, doces, biscoitos recheados, refrigerantes, molhos como catchup e maionese e salgadinhos industrializados.

Um projeto que tramita no Congresso Nacional, desde 2005, propõe que esse tipo de proibição se torne nacional em escolas de educação básica. O Projeto de Lei 406/2005 tem como objetivo “disciplinar a comercialização de alimentos nas escolas de educação básica e a elaboração de cardápios do programa de alimentação escolar”. Pelo texto, ficaria vedada a venda de bebidas de baixo teor nutricional e alimentos com quantidades elevadas de açúcar, gorduras saturadas, gorduras trans e sódio.

 

Fonte: http://agenciabrasil.ebc.com.br/

Azeite de oliva é fonte de gorduras do bem e ajuda a prevenir doenças | Shizen Produtos Naturais

Azeite de oliva é fonte de gorduras do bem e ajuda a prevenir doenças

Estudos demonstram que ele contribui para a redução dos triglicerídeos e riscos cardiovasculares e aumenta o HDL colesterol;

Obtido da azeitona, fruto proveniente da Oliveira, através do esmagamento e prensagem, o azeite de oliva possui muitos benefícios para a saúde, como prevenção de doenças e até melhora da pele. Ele contém na sua composição maior quantidade (em torno de 80%) de ácidos graxos monoinsaturados (ômega 9). Possui um potente efeito antioxidante por ser excelente fonte das vitamina E, A e K, e de compostos fenólicos e flavonoides.

Os azeites devem ser acondicionados em vidro escuro com proteção à luz e sem contato com o oxigênio, para não alterar o sabor e o aroma. Como todo óleo vegetal possui 9 calorias/ grama, portanto seu uso deve ser estimulado com moderação. Estudos clínicos demonstram vários efeitos benéficos na utilização de ácidos graxos monoinsaturados/azeite de oliva.

  • Redução de triglicerídeos
  • Aumento do HDL, o bom colesterol
  • Correlação na melhora da resistência a insulina
  • Positivo na redução da pressão arterial
  • Redução de risco cardiovascular Redução do efeito hipercolesterolêmico, níveis aumentados de colesterol na corrente sanguínea
  • Bom funcionamento intestinal Prevenção do envelhecimento celular
  • Combate aos radicais livres
  • Retardo da perda da óssea

Confira os tipos de azeites:

Azeite de oliva extravirgem: é obtido da primeira prensagem a frio em temperatura ambiente. Quanto maior a quantidade de “gorduras boas”, menor será a acidez. Este azeite possui acidez máxima de 0,8%. Tem sabor e aroma mais acentuado e maior grau de pureza, tendo a maior quantidade de antioxidantes. Não deve ser utilizado para cozinhar os alimentos, pois perde suas características de sabor e odor. Utilizar em alimentos já prontos.

Azeite de oliva virgem: obtido da segunda ou terceira prensagem da azeitona. Possui acidez máxima de 2%. Melhor uso culinário.

Azeite de oliva refinado: Quando apresenta uma acidez muito elevada (maior que 3,3%), é submetido a um tratamento para neutralizar o excesso de acidez, sendo então classificado como Refinado e tendo acidez final de no máximo 0,3%. Já utiliza algum tipo de solvente. Perde parte dos compostos antioxidantes

Azeite de oliva: Mistura de azeite refinado e de azeite virgem ou extra virgem, não possui a mesma composição e benefícios que o extra virgem, mas é um bom azeite principalmente para cozer.

Podemos usar azeite de oliva para cozinhar?

Ele pode ser usado para cozer alimentos em água como cereais (arroz), leguminosas (feijão, soja) e hortaliças (verduras e legumes). Apresenta boa resistência às alterações químicas e físicas, não ocorrendo a oxidação das moléculas das gorduras em temperaturas até 180º C, não perdendo seu efeito protetor de ácido graxo monoinsaturado. A temperatura de cocção em sistema aberto (100ºC) ou fechado (pressão a 120ºC) é insuficiente para oxidação das moléculas de ácidos graxos.

Indicação de uso em preparações frias como saladas, acrescentar já na comida no prato, em refogados e ensopados. Não deve ser utilizado para fazer “frituras”, os mais indicados e estáveis são o óleo de soja e de canola.

 

Fonte: Globo Esporte

Macarrão de Mandioca | Shizen Produtos Naturais

Macarrão de Mandioca?

Você já ouviu falar do Macarrão de Mandioca?

Ele beneficia pessoas celíacas, diabéticas, pessoas com ácido úrico elevado e todas as pessoas que tendem a ter uma vida saudável. Epecialidade aprovada em lojas de produtos naturais e academias. Pela primeira vez o sabor original da boa macarronada, sem sair da dieta!

Um Macarrão Light com 54% Menos Calórico, 55% Menos Carboidrato, 0% de Sódio, 0% de Corante, Livre de Colesterol, Não Contém Glúten, Com Ômega 3, Com Ômega 6, Sem Lactose.
Não contém Ovo.

Coragem para empreender antes dos 30 - Márcio Mikami | Shizen Produtos Naturais

Coragem para empreender antes dos 30 – Márcio Mikami

Brasília é conhecida por ser uma cidade onde boa parte da mão de obra se volta para o setor público. Seus jovens buscam estabilidade financeira em concorridos concursos. Contudo, a Capital Federal tem se revelado também como sendo um dos principais polos empreendedores do Brasil. De acordo com Ary Ferreira, gerente de capacitação empresarial do Sebrae – DF, aqui é a região do pais onde o maior número de jovens se arriscam na abertura de um negócio. A revista Tendências e Negócios entrevistou sete empresários que não recuaram devida ao pouco tempo de experiência e hoje celebram o sucesso de seus empreendimentos. Acompanhe a seguir a história de Márcio Yukihiro Mikami sobre a Shizen:

Coragem para empreender antes dos 30 - Márcio Mikami | Shizen Produtos Naturais

Matchá é mais potente que o chá verde? | Shizen Produtos Naturais

Matchá é mais potente que o chá verde?

Os chás são ótimos aliados para quem quer perder peso rápido. Durante muito tempo, um dos mais consumidos para atingir esse objetivo foi o chá verde, que é termogênico que acelera a queima de gordura. Mas ele acaba de ganhar um concorrente à altura e que promete ser ainda mais eficiente: o matchá.

Sucesso nos Estados Unidos e na Europa, o matchá é extraído da mesma planta que o chá verde, a Camellia Sinensis, mas com um processo de produção diferente, feito de forma artesanal.

 

Matchá: propriedades emagrecedoras

São essas propriedades do matchá que fazem com que o vegetal produza mais clorofila, aminoácidos e l-teanina, substâncias que ajudam a dissolver a gordura e a eliminá-la rapidamente.

Além disso, segundo o endocrinologista Alfredo Cury, do SPA Posse do Corpo, em Petrópolis (RJ), os flavonóides e cafeína encontrados na planta aceleram o metabolismo e, por isso, contribuem para o emagrecimento.

Outro benefício do matchá é que ele ajuda na recuperação muscular e, por isso, é muito indicado para quem pratica atividades físicas regularmente.

Chá para perder peso: como consumir

O matchá é um pó verde pode ser utilizado para preparar o tradicional chá, ou como ingrediente de sucos, vitaminas e até mesmo em receitas de bolos integrais. De acordo com a equipe de nutricionistas do W SPA, no Rio de Janeiro, o consumo recomendado é de 15 a 20 gramas por dia.

 

 

Fonte: Bolsa de Mulher